1 de dezembro de 2012

Contos e Prosas - apresenta a criação de:


Parecia mentira...

Naquele dia, o tempo mudou de estação..., como se uma nuvem muito densa e clara tivesse caindo em forma de neblina. Parei e sentei naquele banco. A praça parecia estar completamente vazia e todo barulho típico daquele lugar desaparecera.
O mundo estava em preto e branco. A paisagem sombria. O único colorido que conseguia enxergar, naqueles segundos que se passava, se transformando em eternidade..., era o compasso acelerado do meu coração.
Fechava e abria os olhos, procurando cores, formas, medidas, pesos... Apenas sentia a minha respiração numa frequência disparada, ouvia os ruídos dos meus pensamentos que se atropelavam... Era uma pergunta seguida de outras dezenas.
Tinha acabado de receber a notícia e a certeza, de uma dúvida que me atormentava por muitos anos. Meu primeiro diagnóstico, há dezoito anos passados, não me dava à menor chance de espera na fila da maternidade.
Eu havia me acostumado com a ideia remota de uma gravidez. Não de ser Mãe! Claro que havia muitas e novas possibilidades. Mas, seria um caso a pensar... pensar... pensar... Agora, não dava mais tempo pra pensar. A ficha tinha caído. Eu estava grávida..., de 14 semanas e 5 dias...
Mas, como não tinha acreditado que era possível??? Como não acreditei nos sintomas óbvios??? Durante algumas semanas já tinha me sentido grávida. Por que não queira ter a certeza??? É verdade. Não queria ter a certeza. Sentia-me com poucas possibilidades de enfrentar uma gestação. Minha idade já pesava um pouco. Minha faculdade tomava meu tempo. Meu trabalho era cansativo. Minha vida estava com lacunas preenchidas até algum tempo.
E agora? Tinha que aceitar. Olhar para o mundo com novas expectativas. Com novas ideias. Com novas paisagens. Afinal, eu já estava sendo mãe. Já estava carregando um ser maravilhoso no ventre. Havia quebrado barreiras. Quebrado regras e obstáculos. Como não ser feliz? Como não aceitar uma Primavera diante daquele cenário anuviado?
Sorri. Chorei. Parei... Pensei como seria a minha vida nos próximos dias? Seria uma espera longa. Mas, nem tão longa assim. Em vez de nove meses, agora já seriam apenas seis meses. A ficha caiu, teria que curtir a minha mais nova fase. Minha primeira vez. E se fosse a última? E se nunca tivesse que passar por essa fase? Então..., como num piscar de olhos, o crepúsculo da incerteza se transformou no alvorecer mais lindo, que nunca tinha vivido antes. Naquela tarde, naquele banco...
O alívio da certeza se transformou em doses de felicidade e liberdade de um pássaro! As lágrimas lavaram meus olhos e me fizeram ver um belo colorido!!!           
  
Marlene Rego
Direitos Autorais Reservados ®

 * Clique na foto e conheça o blog da autora.
_______________________________________________________________________________

26 comentários:

VILMA PIVA disse...

Belo!! A dádiva de ser mãe encontrou naquela tarde braços abertos para acolher uma nova vida. Parabáens!1 Bjs.

MARIA MACHADO disse...

Lindo! O crepúsculo da incerteza se transformou no alvorecer mais lindo. Que magnífico, e emocionante! Parabéns ! Bjs.

elvira carvalho disse...

Uma história emocionante. Compreendo a surpresa da personagem. Mas como uma criança é uma dádiva divina ela só podia mesmo ficar feliz.
Um abraço e bom fim de semana


Dorli disse...

Oi Marlene
Muito lindo seu conto, em qualquer situação de vida, um gravidez é a dádiva que toda mulher espera e, se ela não vier é só mandar buscar o bebê prontinho, pois os sentimentos são iguais.
Emocionei-me com seu conto, pois não tive esse privilégio, mas tenho um garotão que é a razão do meu viver.
Obrigada por seu conto maravilhoso que me levou as lágrimas, quando terminei de ler. Não liga, apesar de brava, sou muito emotiva.
Um beijo do tamanho do mundo
Lua Singular

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Lindo Marlene!Como é bom ser mãe.É a maior virtude que Deus nos concede.Parabéns!

bjs.
Carmen Lúcia

Evanir disse...

Marlene .
Seu conto é de uma grandeza impar
tão bem elaborado nem diria ser um conto.
E sim fatos reais contado com profundo sentimento .
Um abraço meu carinho lido final de semana,Evanir.

Clarice Moreno disse...

Marlene Rego arrepiante seu conto, gerar um filho é uma das maiores dádivas divina, e quando isso acontece é um momento de graça, onde nossa alma se torna uma aquarela de cores, onde vemos o mundo colorido, e no mais fundo, no âmago de nosso coração é onde a alegria e a felicidade se hospedam. Parabéns amiga !
Beijos
Clarice Moreno

Janete Sales (Dany) disse...

Belíssimo jeito de expressar o que as mulheres sentem quando engravidam!
Meus parabéns a Marlene...é assim mesmo que as mulheres se sentem! Temerosas quanto ao futuro... porém radiantes de ter dentro delas um ser que é só amor!

Aplausos
Abraços a todos

Cris Henriques disse...

Olá Marlene!

Os meus parabéns pelo conto. Gostei muito. Ser Mãe é uma experiência muito importante na vida de uma mulher, maioritariamente a mais importante de todas. Quando se torna Mãe, a mulher aprende e descobre como é o amor incondicional. O bebé, o filho passa a ser o centro da sua vida.

Um beijo e mais uma vez os meus Parabéns,

Cris Henriques

http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com

Dídimo Gusmão disse...

Marlene,

Seu conto tem força. Soube transcrever para o papel o significado de ser mãe.
Eu, particularmente, acho que a força de vocês mulheres, está no poder de gerar outra vida.
Muito bom o seu texto!
Um forte abraço.

http://didimogusmao.blogspot.com.br/

Zilani Célia disse...

OI MARLENE!
PARABÉNS PELO BELO TEXTO E PELA PARTICIPAÇÃO NESTE EVENTO PROMOVIDO POR NOSSO AMIGO VIVIANI, QUE PROPORCIONA ESTES MOMENTOS BONS E DE NOVOS RELACIONAMENTOS VIRTUAIS, MAS, NÃO MENOS IMPORTANTES.
ABRÇS
zilanicelia.blogspot.com.br/

ricardo alves / são paulo,brasil disse...

que belo testemunho!

VIVENDO A VIDA ASSIM... disse...

A gravidez é uma benção dada por Deus e só quem a tem sabe o quanto ela transforma vidas. Belo texto Marlene, parabéns!! Suzana (www.sfersete.blogspot.com.br - VIVENDO A VIDA ASSIM...)

Bia Hain disse...

Marlene, me vi em seu texto, quando descobri que estava grávida já aos três meses em um contexto conturbado. Descreveu muito bem os sentimentos que envolvem uma nova mãe. Um abraço!

Bia Hain disse...

Marlene, me vi em seu texto, quando descobri que estava grávida já aos três meses em um contexto conturbado. Descreveu muito bem os sentimentos que envolvem uma nova mãe. Um abraço!

Sónia M. disse...

Belo e emocionante, este texto!

Quando eles chegam à nossa vida, tudo tudo e se avessa, nada volta a ser como antes...uma sensação única e indescritível!
Parabéns à autora Marlene Rego!

Deixo um beijo
Sónia

Lu Nogfer disse...

Um conto com uma narraçao sensivel e real. Ser mae é dadiva divina!
Parabens Marlene!Adorei.

Abraços!

Rosa Mattos disse...

Parabéns Marlene, pela brilhante participação. Uma história comovente, descrita de forma bonita e tocante.

Abraços

Rosa Mattos
http://contosdarosa.blogspot.com

MARIA DA FONTE disse...

Há momentos mágicos, este é um deles.
Lindo. Abraços

MARIA DA FONTE disse...

Há momentos mágicos, este é um deles.
Lindo. Abraços

MARIA DA FONTE disse...

Há momentos mágicos, este é um deles.
Lindo. Abraços

Marli Franco disse...

Marlene congratulaçoes pela grande criação!Um momento especial conhecer teu trabalho.
bjs de violetas

Isa Lisboa disse...

Há acontecimentos que, de tão importantes que são, nos causam dúvidas... Mas quando elas se dissipam, tudo é mágico!

Bento Sales disse...

Olá, amiga Marlene!
O conto está muito bem inspirado, bem escrito e é emocionante.
Gerar uma vida é digno de tua maravilhosa metáfora.
Tens, deveras, dom prosaico.
O amigo Viviani está de parabéns pelo evento e tu pela magnífica contribuição.

Abraços a ambos de amigo.

marylú disse...

AGRADECENDO A TODOS PELOS RECADOS DEIXADOS E DE CORAÇÃO, AGRADEÇO PRINCIPALMENTE AO MEU AMIGO VIVIANE, PELA OPORTUNIDADE DE MAIS UMA VEZ PODER EXTERNAR SENTIMENTOS, EM FORMAS DE PROSAS, CONTOS, POESIAS... MARAVILHOSO ESTE EVENTO.

BEIJOS A TODOS OS PARTICIPANTES E AO AUTOR DESTE BLOG, QUE É SÓ ALEGRIA.

Verinha Portella disse...

Pura sensibilidade...e magia..

lindo! parabens

vera portella