21 de dezembro de 2012

Contos e Prosas - apresenta a criação de:


Vida Vazia...

Carol estava tão feliz com a mudança de vida! Mudou-se da antiga e ampla casa da mãe, para uma casa pequena. Porém aconchegante e perfumada.
O som que ressoava docemente pelos cômodos, vinha da caixinha de música do quarto do bebê recém-nascido. Uma linda menina!
O álbum de fotos do casamento da mãe estava bem à amostra na estante da sala de estar. Nas fotos dava para ver a grande quantidade de presentes que a mesma ganhara no casamento.
— Meu Deus, como ela detestava bugigangas! – era como ela chamava as coisas mesmo novas, mas sem uso – contava a filha. — Não sei por que não usou quase nada!
Talvez não tivesse gostado dos presentes de casamento ou preferiu usar as coisas que pertencia à família já na terceira geração de filhas únicas. Ela não abria mão de nada. Deixava claro que quando a filha se mudasse de lá, levaria apenas os bibelôs de porcelana que pertencera à bisavó. Porém, trincaram-se todos dentro da velha cristaleira com os pés apodrecidos pela umidade que vinha do assoalho. 
— Ainda esta lá do mesmo jeito. – dizia a filha. A enorme casa também, caindo aos pedaços! 
Há tempos reformaria aquela casa, mas não o fez. Não por falta de condições financeiras, mas sempre preferiu adiar para o próximo ano. A vida inteira adiava tudo para o próximo ano.
O tempo foi passando, passando e tudo estava igual como nos velhos tempos.
Agora viúva, aquela mulher de rugas precoces, olhava as paredes rachadas e emboloradas com o olhar lacrimejado e melancólico. Andava pela casa como se procurasse algo além de simples objetos. Resolveu remexer nos guardados, pois sentira falta do álbum de retratos que lhe trazia boas recordações. Esquecera que havia pedido a filha para levá-lo para restaurar.
Abriu todas as portas e gavetas dos antigos armários, espalhando assim o cheiro de naftalina pela casa. Caixas e mais caixas de objetos sem uso. Abriu na cama a colcha de crochê branca, já amarelada pelo tempo. Uma das poucas peças do próprio enxoval, que nem chegara a terminar.
— Que coisa mais fora de moda. – exclamou meio ranzinza. Até que está combinando com a cor envelhecida dessas paredes!
Falava balançando a cabeça, parecendo inconformada com o próprio comodismo.
Enquanto o marido trabalhou fora, passou a vida olhando pela janela, fazendo planos e planos, porém nunca tentou realizá-los ou compartilhá-los. Ainda que desejasse, nunca terminava o que começava. Ia empurrando para frente. Adiando para outro ano, para outra época...
Por  ver a vida passar sem perceber, que só após ter ficado sozinha naquela velha casa, percebera as tantas coisas que ficaram por aí pela vida. Tudo pela metade. A colcha de crochê, o interminável magistério, a casa por reformar...
Até a própria região que sempre quis conhecer melhor, nunca ultrapassara o limite de sua cidadezinha.
Apenas cinquenta e poucos anos. Ainda daria tempo para muitas realizações. Mas se antes quase não saia, muito menos agora que já não tem mais tanta saúde e nem paciência para concluir os projetos que ficaram para trás.
Sentada numa velha cadeira de balanço, ficou ali observando tudo, horas e horas...
Estava com os pensamentos tão distantes, que custou a ouvir as batidas ocas na velha porta...
Era a filha acompanhada da neta para presenteá-la com o que ela tanto procurava!
O álbum de retratos novinho em folha, um pouco de choro de criança e muita alegria para preencher aquela vida, que de vazia não tinha nada.


Lu Nogfer
Direitos Autorais Reservados ®

 * Clique na foto e conheça o blog da autora.
__________________________________________________________________________________

49 comentários:

Dorli disse...

Oi Lu!
Um conto maravilhoso, uma lição para as pessoas acomodada que deixam para um amanhã distante o que se poderia fazer hoje.A vida está aí para ser vivida intensamente e temos que acompanhar as mudanças que ela ocorre na vida. Nada de saudosismo, isso é retrocesso e, essa palavra adoece.
Parabéns, espero que você tenha muitos comentários e aprendam que o ontem já passou, o hoje tem que ser vivido na sua plenitude.
Um beijo
Lua Singular

Janete Sales (Dany) disse...

Olá Lu Nogter!

Lindo conto!
Um alerta para as pessoas que não vivem a vida com intensidade...
Mas sempre é tempo de ser feliz,
porque não é a idade que determina a felicidade e sim o estado de espírito!

Meus parabéns pelo belo escrito!

Um abraço a todos!

Zilani Célia disse...

OI LU!
NÃO ME DISSESTE QUE ESTARIAS AQUI HOJE, MAS, CÁ ESTOU.
TEU CONTO FICOU LINDO ME LEVANDO A PENSAR, QUANTAS PESSOAS VIVEM ASSIM E SÓ QUANDO SE VEEM SÓS SE DÃO CONTA DO QUANTO TIVERAM DA VIDA E DEIXARAM PASSAR SEM DAR O DEVIDO VALO, MAS, AINDA BEM QUE SEMPRE HÁ TEMPO PARA SE RESGATAR.
MUITO LINDO LU, MEUS PARABÉNS.
ESTOU TENTANDO ENTRAR EM TEU BLOG MAS, NÃO ESTÁ ABRINDO, MAIS TARDE TENTO DE NOVO.
ABRÇS
http zilanicelia.blogspot.com.br/ClickAQUI://
http zilanicelia.blogspot.com.br/ClickAQUI://

Pedro Luis López Pérez (PL.LP) disse...

La vida hay que vivirla intensamente y siempre en Presente, porque como decía mi escritor favorito, Quevedo:
"La Vida es un extraño vacío que la Muerte ocupa"
Muy buen relato.
Um abraço.

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Oí Lu!Muitas vezes precisamos olhar nossas gavetas,jogar fora o que não servirá mais e deixar entrar novos ares para que possamos ter uma vida feliz.Quando algum objeto que ganhamos e queremos guardá-lo como relíquia o nosso dever é restaurá-lo e deixá-lo lindo como lembrança de algum ente querido.
Bjs.
Feliz Natal
Carmen Lúcia-mamymilu.blogspot.com

*Escritora de Artes* disse...

Oi Lu,

Seu belo conto me lembrou pessoas que simplesmente negam-se a mudanças e prendem-se a insignificância de não viver...

Parabéns pela sua bela participação...

Abçs

★MaRiBeL★ disse...

…....... /)
……... ( , )
….….|░░░|
……..|░░░|☆ Feliz _(♥)_
…..@|░░░|¸.¤“˜¨Navidad.
.¨˜“¤|░░ഐ¤ª@“˜¨¨y
…¨˜“გª¤.¸::¸.¤ª☆“˜¨¨Año Nuevo.
…¤¸*¸.¤ª“˜@¨¨¨***2013****.
*♥*.MaRiBeL.*♥*

Célia Rangel disse...

Um belo e realista conto da vida de muitas mulheres que fazem da vida uma imagem projetando toda uma letargia do não viver. Embolora com o tempo. Não se atualiza. Não vive, apenas vegeta!
Abraço, Célia.

Lu Nogfer disse...

Olá amigo J.R.

Quero novamente agradecer a honra de ser convidada a participar desse evento o qual nos tem apresentado talentosos autores. Tive o prazer de ler a cada obra com reflexões enriquecedoras ao nosso cotidiano.
Muito obrigada, amigo!

Volto para agradecer o carinho de todos os amigos e visitá-los em suas páginas.

Querida Janete, volto para ler e comentar em seu conto.Pois conhecendo o grande talento que tens, quero degustar cada parágrafo de sua obra com calma e o carinho que merece!

Bom dia a todos e um forte abraço!


Ghost e Bindi disse...

Lu, parabenizamos vc por um texto tão expressivo. Quando as pessoas carregam amargura no coração o tempo passa sem que elas produzam fraternidade aos que lhe rodeiam, então vem a solidão e a tristeza, recordações de um tempo perdido sem ter plantado a semente do amanhã: o amor, remédio da alma e de nossa paz!

Carinhosamente

Ghost e Bindi

Tunin disse...

Um grande alerta tu colocaste neste teu maravilhoso escrito. Devemos sempre enfrentar as situações e nunca deixar para depois.Gostei.
Feliz natal!

LORENA LEITTE disse...

precisamos fazer o que temos vontade, não podemos esperar para amanhã. Miuto bom ,uma lição de vida.
abraços

JAIRCLOPES disse...

Limerique

Visitar Lu Nogfer em seu universo
É estar num mundo mágico imerso
Aqui rola inspiração
Aqui onde as coisas são
Um mundo sem igual, assaz diverso.

Lu Nogfer disse...

Quero agradecer aos queridos leitores:

Dorli, Janete(Ja comentei lá, querida!), Zilani(ja passei la amiga e lhe expliquei...), Pedro Luis, Carmen Lúcia, Escritora de Artes, MaRiBeL, Célia Rangel, Ghost e Bindi, Tunin, LORENA LEITTE, Jair Lopes(Obrigada meu doce amigo limeriqueiro!Amei!)

Obrigada a todos pelas palavras tao reflexivas que fazem com que aprendamos tambem com cada comentario!

Uma honra ve-los aqui!
Vou visita-los ja,ja em seus cantinhos!

Beijos no coraçao de cada um e sejam todos bem-vindos ao meu espaço.

Vou agradecendo a todos dessa forma.

Volto logo!

R. R. Barcellos disse...

Para J. R.:
Um poeta vende sonhos,
Mercadeja ilusões;
Falseia pesos, tamanhos,
Trafica com emoções.


Para Lu
Há tantos contos, menina,
Com cheiro de naftalina...
Este teu conto é um poema
Com perfume de alfazema!


Para ambos:
PARABÉNS!

Rita disse...

Elogios pra você minha linda que
Deus continue te dando sabedoria
para fazer novos contos tão bonitos como esse, parabéns mesmo eu adorei
Abraços com todo meu carinho
Rita!!!!

Daniel Costa disse...

Lu Nugfer

Conto conduzido com muita intenção e sagacidade, sem pontos mortos, dele se extraindo um leitura que prende, o leitor de principio, ao fim.
A senhora, é como muita gente, vive e viveu de adiamentos.
Parabéns pela bela peça, Lu.
Os meus desejos de Boas Festas de Natal.
Beijos

MARILENE disse...

Muito belo seu conto. Nem sempre a impressão de que a vida passou sem que a vivêssemos é verdadeira. A mulher de sua narrativa teve uma família que a fez feliz, uma filha e uma neta que lhe trazem as lembranças dessa vida (não vazia) e um sorriso de felicidade. O que ficou incompleto, se realmente tem significado, pode ter continuidade.
Parabéns! Bjs.

Zélia Cunha disse...

Lu,
Um lindo conto. Coisas que acontecem na realidade do nosso cotidiano. Quantas vezes temos tudo: tempo, condições financeiras e emocionais e uma boa razão para realizar alguma coisa. E vamos postergando, deixando para mais tarde e, quando nos damos de conta, realmente, é tarde! Vivemos uma vida vazia...
Parabéns, lindo!
Beijos.

MARIA MACHADO disse...

Lu, fiquei encantada...Muito lindo seu conto,Vida vazia... Parabéns! Uma história emocionante, e ao mesmo tempo meio triste,porque ela deixou a vida passar despecebida.Vou passar no teu blog e conhecer seus trabalhos.
Um abraço
Maria Machado

Zélia Cunha disse...

Amigo J.R.
Quero parabenizá-lo por esta magnífica iniciativa deste evento que destaca e promove escritores, postando seus belíssimos trabalhos neste blog divulgador. São todos trabalhos de ótima qualidade que prendem nossa atenção do início ao fim.
Desejo a você, amigo, um feliz Natal e um Ano Novo de muitas realizações!
Um grande abraço!

POR TODA MINHA VIDA disse...

Lú Um Lindo Conto ...Magnífico e repleto de verdades ...Grande Sabedoria aqui colocada ...pára muita e profunda reflexão ...a vida passa e deixa-la passar sem ao menos ser e trazer a tona aquilo que se verdadeiramente é ...seus sonhos e tudo mais vamos dizer uma das piores verdades..." EU DESPERDICEI A MINHA VIDA !!! " Isto é muito duro !!! Um grande beijo de quem muito te admira Pedro Pugliese

Nádia Santos disse...

Pois é Lu, tem pessoas que é assim, tem sonhos, mais não corre atrás, ou quando começa algos pára e fica pela metade, e assim a vida vai passando e ela sempre empurrando tudo lá pra frente... pena não é? Muito bonito e verdadeiro seu conto. Bjus

Lu Nogfer disse...

Nossa como está lindo isso aqui!

Aos amigos queridos:

R. R. Barcellos(Esse poeta instantâneo que encanta a gente.Obrigada amigo.Adorei!)
Rita
Daniel Costa
MARILENE
Zélia Cunha
MARIA MACHADO
Pedro Pugliese(meu anjo)
Nádia Santos...

Quero agradecer imensamente a honra de vê-los aqui!

Muito obrigada, pela reflexao meus queridos!
Aos que ainda nao me conhecem, sejam bem-vindos ao meu espaço.

Prometo tirar um tempo para passar no blog de todos pra deixar um beijo!

Boa noite a todos em especial ao amigo J.R.

Volto aqui amanha...

Abraços apertados!


Mary disse...

Oi Lu!

E bem isso mesmo, as pessoas esperam nas outras o que elas próprias deveriam tomarem a iniciativa.
Não se dão o direito de mudanças, e quando verem o tempo já passou,
é lá estão sem planos, sem perspectivas de viDa.

Um Lindo conto

Evanir disse...

Minha linda Amiga.
Li com muita atenção como foi bem contada a vida de quem deixa a vida passar.
Eu fico triste quando na vida real vejo casos reais como vc tão bem descreveu.
No meu ponto de vista pessoas assim não são acomodadas e sim infelizes
sem fé sem esperança.
Tudo que ela mais precisa é de uma mão amiga se sentir amada tudo isso seria a diferença para todos os deprimidos.
Parabéns muito lindo amiga.
Deus abençoe .O feliz Natal para vc e toda familia beijos ,Evanir.

Suzane Weck disse...

Ola querida Lu,este conto que escrevestes é um presente lindo de NAtal á todos nós, que tivemos a felicidade de poder participar da leitura desta verdadeira,um tanto triste, reflexiva e linda história,escrita com muita sabedoria.PARABÈNS.Beijus....SU

Vera Lúcia disse...


Oi LU,

Lindo conto e ótima reflexão.
A acomodação é inimiga do bem viver.
Não é sábio adiar a felicidade, vivendo uma vida vazia quando há muito nela a vivenciar.
Para a mãe de Carol, ainda restou a alegria da existência da filha e da neta e as boas recordações, o que por si só é o bastante para preencher a razão de uma existência. Mas ela poderia ter tido uma vida mais vibrante se tivesse optado por viver a vida de uma maneira mais intensa e gratificante.
Parabéns!
Beijo a você e abraço ao JR, com os meus votos de um Natal feliz e um ano próspero e repleto de realizações.
BOAS FESTAS!














Bento Sales disse...

Olá, amiga Lu!
Ainda bem que a mudança de vida da Carol foi apenas física, pois seu amor e consideração pela mãe continuam.
Quando amamos e somos amados, nunca ficaremos sós.
Amiga, o conto está muito bem engendrado e inspirado. A narrativa está primorosa e a linguagem, brilhante. Também não se pode deixar de mencionar que sua gramática é perfeita.
Parabéns pelo talento e pela excepcional participação neste evento magnífico do nobre amigo Viviani!

Abraços a ambos.

Cristal de uma mulher disse...

Minha amada amiga uma história comovente e dentro de uma escrita saudosamente vivida.

A nossa casa interior nunca deve ser mal vivida, onde as traças rasgam as vestes dos Sonhos que um dia Dante teria que ser vivida entre a realidade e os sonhos de construir a felicidade dentro de si mesma como uma obra da natureza humana.
Um dia quando se olha para traz o tempo passou e nunca mais voltará, e é quando por algum motivo se busca o passado para viver um presente onde as marcas já existem e não tem mais o que esconder de Si mesma.
Muitas pessoas vivem um mundo feio dentro de si mesmo sem acreditar que o amanhã talvez nem exista ,pois quem o garante?? Viver a vida com Amor é a melhor forma de DAR E RECEBER. Ter sonhos e ter coragem de realizá-los é uma tarefa esplendorosa pois cada Um busque em seus sonhos construir seus castelos de esperança de amor e de Vida para no amanhã não chorar o que passou e o que não fez ,ou a felicidade que não foi capaz da Dar a alguém..

Muito bonito Lu,estás de parabéns.

Um beijo carinhoso da amiga de sempre

Rachel Omena

Dídimo Gusmão disse...

Lu,
Parabéns pelo bom texto.
Escreveu muito bem. Seu conto é maravilhoso.
Abraços literários.
http://didimogusmao.blogspot.com.br/

Fernanda Oliveira disse...

Belo conto querida, parabéns! Beijos! Fernanda Oliveira

Fernanda Oliveira disse...

Belo conto querida, parabéns! Beijos! Fernanda Oliveira

Lu Nogfer disse...




Olá meu querido J.R.
Olha eu aqui de novo invadindo o seu blog e por sinal muito feliz por cada lindo comentario!

Dessa vez quero agradecer o carinho dos amigos:

Mary
Evanir
Suzane Weck
Vera Lúcia
Bento Sales
Rachel Omena
Dídimo Gusmão
Fernanda Oliveira...

Muito obrigada, queridos!

Uma honra enorme receber as palavras e o carinho de voces aqui!

Ja, ja os visitarei e se quiserem dar uma passadinha la no meu espaço, terminei de escrever o ultimo post do ano!
Sintam-se a vontade por lá, ok?
Um abraçao em todos!



E se alguem mais passar por aqui fiquem a vontade, pois eu volto para agradecer!






VILMA PIVA disse...

Olá Lu Nogfer,
Retratas um triste momento, quando o tempo aponta e mostra que nada sobrou.... somente uma ponta de recordação....
Parabéns pela inspiração!!
Feliz Natal!! Feliz Ano Novo!
Beijos!

elvira carvalho disse...

Que bom que a filha e neta vieram arrancá-la do marasmo em que transformara a vida.
Um abraço e um Santo e Feliz Natal.

Um Santo e Feliz Natal tambem para si J. R. Viviani

Rô... disse...

oi Lu,

as vezes precisamos de uma ajudinha externa,
para que o nosso interior acorde daquele sono profundo...
e reaja,e faça e viva...
adorei o conto,
leria muito mais...

beijinhos

A Palavra Mágica disse...

Aos amigos que passam por aqui quero dizer que chamo esta moça, escritora do conto, de LU MARAVILHA. Pela maneira cativante dela dá para saberem o motivo.

Lu Maravilha,

Eu me vi naquela casa, a casa de minha avó era assim: saudosa, silenciosa e acolhedora.

Parabéns Lu, Senhora do destino dessas suas lindas personagens!

Beijo meu!
Alcides





Cesar S. Farias disse...

"O passado é uma roupa que não nos serve mais", já dizia Belchior em sua música. Muitos tem dificuldades para se desligarem dele.
Belo e bem escrito conto.

ANTONIO RUBILAR BARBOSA VALENTE disse...

Amiga Lu!!!!
Sou suspeito para falar do seu talento quando você começa a "repousar suas letras" em escritos e textos bem envolventes e cheios de vida. A "Vida Vazia" que você descreve nos remete à várias interrogações. Nossa vida pode parecer vazia, mas é mais vazia a cabeça de quem imagina que a vida não tem cores ou não tem riso. Parabéns pelo texto. Um bjo amigo, Rubi.

Lu Nogfer disse...

Queridos amigos leitores...

Vilma
Elvira

Alcides(minha palavra mágica e meu fiel amigo que sempre me emociona!)
Cesar
Rubi(meu irmaozinho de coração)

Muito obrigada queridos, pela honra que tenho em ve-los aqui com suas sinceras opinioes!
Aos que ja me conhecem, obrigada pela doce presença em minha vida. E aos demais leitores, cheguem mais perto e sejam muito bem-vindos!

Estarei passando em todos para deixar o meu carinho!

Um forte abraço!

Marcia disse...

Minha amiga Lu,

Que lindo e verdadeiro conto amiga!Tanta gente que se deixa levar pelo comodismo. A vida deve ser vivida e nao adiada.Mas que bom que no final algo preencheu aquela vida que antes era vazia mas foi preenchida.
Tao gostoso sempre te ler.
Parabens pela linda participaçao, amiga linda!

Beijos e feliz natal para todos!

Bia Hain disse...

Lu, casa cheia de crianças e alegrias é sempre garantia de vazios preenchidos e esquecidos no passado. Espero que a senhora do conto tenha se dado conta disso. Lindo texto, um abraço!

Felisberto Junior disse...

Olá!
Boa tarde!
Jr Viviani
Lu
..mesmo em off... fiz questão de vir...gostei das palavras "Se desejar..."
Belo conto...
A vida tem dessas coisas.Nossa existência é marcada pelo desassossego. Há a insaciabilidade de cada vontade. E toda vez que é satisfeita... um novo é engendrado, e não há fim para nossos desejos.Desde que continuemos a ceder ao turbilhão de desejos com os seus medos e esperanças constantes... Nunca vamos obter a paz nem felicidade duradoura...A paz interior vem com a sabedoria de se viver com o vazio, conhecer o sabor da chegada e do nada...
Feliz 2013. Muita paz e luz!
Beijos Lú
Abraços Viviani
té... 2013
ClicAki Blog(IN)FELIZ13

J.José disse...

Olá, Lu!

Embora não pareça, é um lugar, relativamente, comum. Muitos de nós vivemos como se fossemos eternos, quando nem temos a certeza se vamos poder olhar para traz e observar, como a personagem do seu conto, e lamentar.

A vida não tem um roteiro definido e muito menos um epílogo previsível, logo, o nosso domínio de fato é o agora, é o tempo/espaço que dispomos para ser e fazer e, porque não? Ser feliz!

O seu conto é, tambem, um alerta, melancólico, mas, é como um espelho futurista onde podemos optar por entrar prematuramente. A opção se faz agora.

Obrigado pelo convite.

Que em 2013 possa exercitar mais a sua veia criativa e nos proporcionar outros contos/momentos como este.

Felicidades!

Bjs

Isa Lisboa disse...

"Não deixes para amanhã o que podes fazer hoje"... Mas por vezes acabamos por o fazer...

Lu Nogfer disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lu Nogfer disse...

Queridos amigos-leitores
Desculpem a demora para voltar aqui para agradecê-los como tive fazendo.
A luta nesse inicio de ano tá grande mas tá boa!rs

Quero agradecer de coraçao aos amigos:
Marcia(Amiga pessoal, na verdade uma irma)
Bia Hain
Felisberto Junior
J.José
Isa Lisboa

Muito obrigada por terem passado e deixado as suas palavras que tanto me honram!
Sejam todos bem-vindos ao meu cantinho que lhe receberá de portas escancaradas!
Quero ainda dizer aos amigos cujos espaços ainda nao deu para passar para deixar o meu carinho. Podem ter certeza que nao me esquecerei.
Ainda nao voltei para a Internet no ritmo normal mas logo logo estarei visitando a todos!

Um lindo 2013 a todos nós com saude, luz, paz, amor e muita inspiraçao!
Um fortíssimo abraço em todos!

E ao amigo J.R. o meu agradecimnto e o meu carinho todo especial!

MUITÍSSIMO OBRIGADA MEU AMIGO!

Lu Nogfer disse...

AMIGOS!

Ficou dois cometarios bem parecidos pq achei que nao havia enviado o primeiro. E aí a gente nunca lembra de tudo igualzinho.
Tentei excluir mas nao consegui!