4 de dezembro de 2014

Crônica:


Prezada leitora e caro leitor, é com satisfação que lhes apresento outra Crônica de minha autoria.
Vamos a ela:





  
Pelo fato de ser frequentemente questionado sobre a razão de me referir de forma distinta a esse ou àquele quando da divulgação das suas obras, e preocupado com a possibilidade de transparecer, principalmente aos autores, que o faço por desrespeito, falta de consideração ou até por menosprezo, achei por bem redigir esta crônica que agora vos apresento.
Apesar do assunto já ter sido amplamente explorado e divulgado através de artigos escritos por inúmeros autores, – já começa aqui a distinção, ou seja, aqueles que criaram os artigos – aclaro a razão de me referir a um como Autor e a outro como Escritor.
Se forem pesquisar encontraram, como já mencionei, diversas opiniões a respeito da distinção, sendo umas mais objetivas, precisas e claras e outras tantas mais polêmicas e, portanto, discutíveis, mas todas convergindo, de um modo ou de outro, para o mesmo ponto, assim, para facilitar o entendimento, eu as sintetizo:
 Aquele que cria uma obra, quer seja, uma música, um quadro, uma peça de teatro ou um livro, recebe, pela criação dessa obra, a alcunha de autor – autor da obra, o responsável por ela! Ou seja, o autor literário é aquele que escreve uma obra, já escritor é aquele que escreve mais de uma obra.
Melhor exemplificando, vejam a definição do significado encontrada nos dicionários: 
Autor: “Aquele que faz uma obra literária, científica, artística.”
Escritor: “Autor de livros literários ou científicos.”
Percebam que nos próprios dicionários há a distinção entre um e outro, exatamente como afirmei e repito:
Autor é aquele que faz obra literária (no singular). Escritor é aquele que é autor de obras (no plural).
Ou seja, há uma clara distinção entre um autor – aquele que escreve um livro – e um escritor, aquele que escreve diversos livros.
É conveniente salientar e aclarar, para não parecer incoerência, que muitas vezes, quando se faz referência a um escritor ao tecer comentários sobre sua obra, é comum se expressar como por exemplo: “O autor neste livro...”, quando poderia ser: “O escritor neste livro...”, mas, por uma questão de semântica, é utilizada, neste caso, a alcunha de autor, mesmo porque está sendo comentada uma obra em específico do escritor. 
Bem, finalizo na expectativa de ter sido feliz nesta minha explanação e que as explicações tenham sido proveitosas deixando claro o porquê do uso de tal distinção.

* * *
Abraço a todos e até a próxima!


32 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Muitos parabéns!!

Sucesso.

Beijos

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

cris braghetto disse...

Olá, Vivivani.
Gostei muito do esclarecimento. Por vezes, utilizamos palavras como sinônimos, de forma equivocada. Eu, por exemplo, desconhecia a diferença dos termos citados por você.
Ótima crônica!
Tenha um ótimo dia!
Abraços.

Pérola disse...

Sempre bom rever conceitos e aprender...

Beijos

Elvira Carvalho disse...

Muito interessante. Nunca tinha pensado nisto. Mas eu penso que ninguém é escritor sem antes ser escritor. De qualquer modo muito obrigada pela informação.
Um abraço e bom fim de semana

JAIRCLOPES disse...

Soneto-acróstico
Autores

Alguém que desenvolve uma criação
Ungido seja como seu autor portanto
Também não há que duvidar da ação
Outro não será seu nome no entanto.

Resta o de muitas obras, o fecundo
Este, se muito escreve, será escritor
E não há muitos assim neste mundo
Se é um poeta então deverá compor.

Contudo como chamado não importa
Reconhecer apenas sua importância
Independe da mensagem que porta.

Todos que criam têm ressonância
Ou sua obra sendo um pouco torta
Reflete talvez a falta de substância.

Laura Santos disse...

Uma distinção entre autor e escritor que tem toda a razão de ser, como é óbvio.
Não se é escritor por apenas se escrever um livro, embora se seja autor dessa obra, e a palavra autor embora tendo um sentido mais generalista, dado que se pode referir a uma enorme diversidade de criações artísticas,acaba por outro lado, por ser apropriadamente usada como referência a um autor particular; " José Saramago é o autor de Memorial do Convento".
"E por aí vai...", como vocês brasileiros costumam dizer. :-) Uma expressão da qual gosto muito.
Um bom dia para si.
xx

Bell disse...

Passando para lhe desejar um ótimo dia.
Aprendi mais aqui hj =)

Nelma Ladeira disse...

É sempre bom se atualizar.para não interpretarmos errado.
Você explicou divinamente!!
Adorei.
Agradeço pelas lindas palavras que deixou em meu cantinho.
Beijinhos J.R.Viviani.

Célia Rangel disse...

Aprender nunca é demais! É uma riqueza que se acumula para sempre. Obrigada!
Abraço.

lis disse...

Interessante essa distinção_ e muito bem explicada ficou bem clara pra mim.
A principio acho ser dificil para quem não conhece o autor saber se é de uma unica obra ou não.Nesse caso melhor citá-lo como autor.
Obrigada pelo texto JR.
um abraço

NeusaMarilda_Lavienrose disse...

Boa Tarde!Foi bastante esclarecedor em seu texto. Obrigada. Abraços!

ReltiH disse...

ME PARECE UN PLANTEAMIENTO MUY CERTERO.
UN ABRAZO

Bárbara disse...

Oi Viviani
Aprendi muito e agora me esclareça uma questão.
Poeta é para os dois gêneros ou existe poeta e poetisa.Estou na dúvida.
Pode deixar a explicação aqui mesmo que à noite eu volto.
Obrigada
Abç
Bárbara

Nidja Andrade disse...

Muito boa a lição, adorei!...

Amatista Amatista disse...

Muy enriquecedor tu entrada ,siempre es bueno aprender,saludos

Vanuza Pantaleão disse...

Oi, amigo!
Recebo sempre com alegria sua visita, e quando aqui venho, saio sempre com uma bagagem valiosa e esclarecedora.
A complexidade na criação literária sempre gerou e vai continuar gerando muita polêmica. Faz-me lembrar de uma frase que diziam antes do advento da era digital, dizia-se assim:"que rios e rios de tinta ainda se gastariam nessa temática". Agora, basta ativarmos os dedos no teclado e alguns neurônios cerebrais e aí fica enunciado o nosso pensamento.
Particularmente, gosto da dúvida, não aprecio opiniões definitivas. Acho muito saudável essa polêmica e adorei o modo elegante da sua abordagem.
Ah, a Rita Pavone! Essa italianinha ainda provoca muitas emoções pelo mundo afora. Outro dia, assisti a um filme argentino em que um dos personagens passou o filme inteiro tentando se lembrar de uma música do repertório dela e só lá no final, nos créditos, é que liberaram a linda melodia(acho que foi no filme A Luz dos Seus Olhos que ganhou o Oscar e que contou com a brilhante interpretação do ator Ricardo Darim). Nossa, fiquei maravilhada! Acredito que você, assim como eu e tantas outras milhões de pessoas, somos "fãs de carteirinha" da inesquecível Rita, [risos].
Obrigada por sua terna presença!Bjsss

Elyane Lacerdda disse...

Amigo, eu não me importa com a classificação exata, quero ser apenas "escrevinhador", aquele que escreve!!!!!Não me preocupo com essas besteiras de classificações, gosto de escrever e tento faz que me chamem de autora ou escritora!!!!rsrsr
bjus e bom final de semana!
http://www.elianedelacerda.com

Pedro Luis López Pérez (PL.LP) disse...

Definiciones que dentro de una similitud aparente, hacen la diferencia sustancial.
Abraços.

ॐ Shirley ॐ disse...

Ótima explicação, poucas pessoas sabem dessa diferença, Viviani. Tenho poemas novos para publicar uns quatro livros, preciso pensar nisso com urgência rsrs.
Querido amigo, beijo!

Marina Fligueira disse...

Hola: ¡Estimado Vendedor de ilusiones!!! Mira que estaba yo bien equivocada. Creía que autor y escritor, era la misma cosa... Y veo que no es así.
¡Gracias Maestro! Por la aclaración.
Te dejo un abrazo y te deseo un feliz fin de semana. Gracias mil gracias por todo lo que aprendo de ti.
Chauuuuuu

Samuel Balbinot disse...

Bom dia Caro amigo.. uma bela explicação sem dúvida.. eu nunca me deti a isso.. apenas escrevo e escrevo... mas todos no fundo temos nosso lugar dentro de nós e em nosso próximo..
grato sempre pelas gentis visitas.. abraços

Vitor Chuva disse...

Olá, Viviani!

Ainda que a diferença seja subtil e aparentemente de menos importância, o facto é que ela existe.E foi aqui muito bem explicada.No fundo, um autor só passará a escritor depois de vários livros escritos.

Um abraço e bom fim de semana.
Vitor

Patricia Galis disse...

Confesso que tbm tinha duvidas...excelente post.


Os seguidores do Café entre amigos elegeram os melhores blogs de 2014, parabéns o seu está entre os vencedores. Convido com muito carinho para vi conferir o post e receber o selo especialmente criado para os eleitos.
http://www.cafeentreamigos.com/2014/12/seguidores-do-cafe-entre-amigos-elegem.html

Cristina disse...

Un articulo muy claro e interesante, con tu permiso me quedo para seguir tu sitio.
Buen fin de semana, abrazos muchos!

Sidnea Barbosa Flores disse...

Olá, aqui estou como prometi! Vc é mesmo "fora de série"! Sempre dando um jeitinho de nos esclarecer algum conceito! Eu ainda não havia pensado nesta diferença! Valeu! Bjss

Dilmar Gomes disse...

Valeu o esclarecimento, amigo JR. Um abraço. Tenhas um ótimo fim de semana.

PAULO TAMBURRO. disse...

Explanação absolutamente didática, pedagógica e para a maioria, necessária, pois, são tantos os termos, tantas as adjetivações que as confusões às vezes, acontecem!

Um abração carioca.

PS. Temos nova postagem no HUMOR EM TEXTOS.

Lu Nogfer disse...

Ótimo esclarecimento, Viviani.
Foi preciso na informação. Parabéns,

Beijos.

Gracita disse...

Estimado amigo Viviani
Uma explanação perfeita. Muitas vezes usamos equivocadamente ao fazermos referência a um ou outro. A tua disponibilidade em compartilhar teu rico saber é louvável e digna de sincero agradecimento. Parabéns pela ótima crônica.
Um abraço com sincera estima,
Gracita

Jô Turquezza disse...

Interessante sua explanação, aprendi mais. Obrigada.

Parabéns pelo Troféu Xícara de Ouro.
joturquezzamundial
Beijos.

Filha do Rei disse...

Oi!!Foste muito bem na tua explanação.Parabéns!!Bjs

Roselia Bezerra disse...

Olá, Viviani
Passo pra parabenizá-lo pelo Xícara de Ouro, bem merecido...
Abraços fraternos