12 de janeiro de 2015

Minhas obras


Prezada leitora e caro leitor, seria um contrassenso eu deixar de tentar fazer a divulgação dos meus livros o quanto mais possa, pois, como sabem, todo escritor é avido por leitores; o coroamento do trabalho, de qualquer escritor que seja, é o de ganhar admiração por suas obras e eu, na qualidade de escritor que sou, seria hipócrita se o negasse, além do que, não posso esconder o orgulho por ter editado mais um livro que intitulei “Na toca da Onça”.  
Não obstante, antes de fazer esta nova divulgação – esta é segunda vez, retive-me pensando em como fazê-lo, pois pretendia que fosse além de uma simples Sinopse, assim como, de uma Resenha ou Sumário, haveria de ser algo mais abrangente do que isso; depois de muito pensar, além de estar convencido para tal, encontrei o caminho e já ia começar a redigi-la, porém restava dúvida: como intitular?
Pensando em qual título dar, lembrei-me das obras do mestre Machado de Assis. Em algumas das suas obras, o imortal escritor, fazendo referência às reedições das suas obras descreveu os seus pormenores, como se fosse um Prólogo, intitulando-os de: Advertência. Expressão essa que o grande escritor usou, evidentemente, no sentindo de fazer alerta ou de dar ênfase.
Pois muito que bem, depois de achado o enunciado, escrevi o que imaginei para dar ênfase à minha obra e agora vos apresento; vamos lá:    

             
Advertência ao “Na toca da Onça”

Deixem-se levar por esta obra; encantem-se lendo uma obra que conta a história de um menino abandonado criado em um prostíbulo, onde todas as “senhoras” da casa o consideravam e o tratavam como filho, dando-lhe afeto, carinho, atenção, mimos, paparicos de toda ordem e “bronca” jamais, aliás, disso ele não precisava, pois era um menino, além de consciente, bem-comportado e respeitoso, sem traumas ou qualquer espécie de desvio psicológico, que tinha, é claro, os defeitos ou virtudes de qualquer criança normal. Riam-se quando ele, apesar de não levar “bronca”, tomou a sua primeira e única - não foi necessário nenhuma mais; bronca essa dada pelo seu teórico pai-adotivo e dono do prostíbulo e cassino, na porta do qual ele, em bebezinho, foi abandonado enrolado em uns trapos.
Viajem imaginado ao lerem a descrição do local no qual ele viveu a sua infância, toda sua juventude e boa parte da sua faze adulta. Divirtam-se com as hilariantes passagens da vida de Xavier – o protagonista, a quem as “senhoras” tidas suas mães, lhe alcunhavam apelidos dos mais diferentes, engraçados e sugestivos com os quais pretendiam demonstrar carinho por ele.
Admirem-se de como o menino, de forma sorrateira, furtiva, espreitando os frequentadores da casa jogarem, aprendeu tudo sobre o carteado e do jogo de forma geral, tornando-se mais tarde um especialista do baralho e transformando o jogo em sua profissão.
Riam-se e ao mesmo tempo admirem as atitudes da Margot – uma das suas mães, a mais dedicada e preocupada com o futuro dele; mulher que deu e transmitiu ao jovem todos os predicados de um “bon-vivant”: o gosto refinado quer seja no vestir, comer, beber, apreciar e reconhecer boas obras fossem literárias ou plásticas, e compreendam do porquê ele tinha comportamento de um gentleman.
Surpreendam-se com as narrativas mais extensas do livro que tratam da sua face adulta; o envolvimento dele com o jogo: sua característica de jogador inveterado e frequentador assíduo de quase todos os cassinos existentes na época – pra não dizer todos; seus relacionamentos com gerentes, crupies, seguranças e parceiros – como eram chamados os jogadores adversários, e saibam porque Xavier era tão respeitado.
Venham conhecer Amélia – a sua grande companheira; mulher abnegada, empenhada em fazê-lo feliz, que dava a vida por ele se preciso fosse; leiam o livro e saibam o porquê, pra ela, era Deus no céu e Xavier na terra, e que o resto era o resto.  
Lendo “Na toca da Onça”, farão um “tour” pela antiga cidade do Rio de Janeiro conhecendo os mais luxuosos, requintados, imponentes e afamados hotéis-cassinos que na época existiram no Rio e que foram reconhecidos pelo mundo afora; terão noção das influências e das consequências que a proibição do jogo no Brasil trouxe às pessoas de forma geral, assim como, de coisas curiosas ditas sobre as razões da promulgação da lei que causou caos financeiro em diversas cidades que tinham nos cassinos a base das suas economias. 
Folheando as páginas deste livro sintam na pele a frustração, o inconformismo e a indignação de alguém que tinha o jogo correndo pelas veias e, da noite para o dia, viu os seus sonhos e propósitos ruírem como um castelo de areia.    
Enfim, envolvam-se, encantem-se, se admirem, pasmem com certas ocorrências e comportamentos, mas, acima de tudo, deixem-se levar a devaneios ou, no mínimo, tirem suas conclusões deste drama romanesco que desenvolve uma história vibrante e atraente, com muita ação, romantismo, sensualidade aflorando paixão, com momentos cômicos hilariantes e outros tantos que mostram a crueza e a realidade da vida, envolta por fatos reais da história política brasileira, culminando com um final dramático, envolvente e emocionante...     






Na toca da Onça.

Editora: Clube de Autores
1ª Edição, 2014.
ISBN:  978-85-68773-00-0
Nº de páginas: 263 
Gênero: Drama romanesco








* * *
Os interessados em adquirir o livro impresso, por favor, cliquem AQUI e serão levados à minha página no Clube de Autores; já os que o quiserem no formato e-Book cliquem AQUI indo à minha página na Amazon.
* Lembrete aos amigos de Portugal: os meus livros encontram-se à venda também por aí, no formato e-Book. Se quiserem adquirir, tanto este como os demais outros, basta clicar AQUI e irão à minha página na Amazon Portugal, lá, é evidente, apesar de estar em espanhol, terão as instruções de como adquirir.   
Bem, por hoje é isso! Agradeço as suas visitas e desejo a todos uma ótima semana. Abraço e até a próxima! 
___________________________________________________

28 comentários:

Vanuza Pantaleão disse...

Nossa, na toca da onça?!!!
Mas eu vou entrar assim mesmo, afinal, eu acho que também sou uma delas, [risos] e onça com onça se entende.
Amigo Viviani, vim um pouquinho tarde para os festejos de 2015, mas o velho ano me segurou pelo pé. Graças a Deus, me livrei dele e aqui estou para desejar-te mais e mais sucesso nos seus empreendimentos literários. Você, tão inspirado e competente.
Deus abençoe seu 2015!
Abração carinhoso da amiga!!!

Cidália Ferreira disse...

Fantástico texto!!

Semana feliz

Beijos

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Elvira Carvalho disse...

Desejo-lhe o maior sucesso. Ainda um dia vou comprar "A turma do Barreiro"
Infelizmente ainda não o posso fazer agora.
Continuo muito em baixo. Amanhã vou de novo ao médico.
Um abraço e uma boa semana

Samuel Balbinot disse...

Boa tarde caro amigo.. te desejo sucesso.. como é bom podermos ver nossa criança chamada livro ganhar vida...
mas ainda vejo da seguinte forma.. nós autores brasileiros com nossos livros e as vezes os vendendo a metade do preço o simplesmente não ganhando um centavo em cima ainda perdemos e muito para obras estrangeiras.. não sei se é modinha e tal..
livros de estrangeiros ganham sinopses e tudo mais e a gente muitas vezes fica numa prateleira de biblioteca sem nunca terem nos retirado.
espero que isso ainda mude.. abraços e grato sempre pela visita

Edumanes disse...

Nos meus cinco blogs, escrevo,
só um, talvez, chegava
porque há cada vez menos percebo
aqui no mundo tanta chaga!

Seja bem vindo ao batalhão,
se o desejar pode visitar o Alentejo
amigo Vendedor de Ilusão
ler o que você escreve é um privilégio!

Boa segunda-feira, um abraço.
Eduardo.

Célia Rangel disse...

Curiosidade atingida! Listando para próximas leituras. Sucesso, Viviani! Você merece.
Abraço.

Laura Santos disse...

Uma sinopse, ou "advertência", bastante alongada, mas que prazer lê-la! Um novo texto, a partir de um grande texto, esse drama romanesco que é esse "Na Toca da Onça".
Grandes serão as obras quando situadas no tempo e no espaço, fazendo alusão a locais e ao termómetro das circunstâncias da altura. Tudo condimentado com personagens maravilhosas, tanto do ponto de vista do lado marginal da vida, como outras que não querem perder o pé,e tentando que outros não percam o pé, e a relação que entre elas se forma numa trama bem orquestrada. Embora não tendo lido, digo que é bem contada, porque a sinopse assim o demonstra, de tão bem escrita e apelativa.
Que o seu livro tenha o maior sucesso, Viviani.
xx

piteis da dinha disse...

Olá Viviani!
Estou passando p/agradecer a visita e o carinho em seguir meu blog. Como coloquei no último post, ainda estou n/repousinho forçado, mas já fiquei te seguindo p/voltar e continuar o passeio por aqui pq acho que vou amar embarcar nessa viagem.

Te desejo um 2015 com muita paz, saúde, alegrias e sucesso...
Abraços

JAIRCLOPES disse...

Olha, eu comprei e estou lendo "Uma página virada...", e a julgar pela sua qualidade literária, posso inferir que "Que na toca da onça" é genial também. Parabéns JR, continue esse ótimo escritor que é. JAIR.

ॐ Shirley ॐ disse...

Viviani, desconheço o conteúdo dos seus livros, mas, você possui impecável estilo. Suas palavras elegantemente colocadas prendem nossa atenção. Os seus livros bem que poderiam transbordar a taça e escorrer pelo mundo.
Beijo!

Gracita disse...

Olá Viviani
Olhe que eu já me senti dentro desta toca tal a sugestibilidade que você usou para nos encantar e nos envolver. Parabéns por mais esta obra prima. Desejo-lhe muito sucesso meu amigo
Um beijo com carinho

Nidja Andrade disse...

A propaganda é a alma do negócio. Parabéns!...Abraço

Pedro Luis López Pérez (PL.LP) disse...

Me ha encantado la sinopsis o reseña que se ha hecho sobre "Na Toca da Onça"
Un libro pleno de vivencias de Xavier en un entorno marginal y pleno de incidencias y anécdotas.
Me ha dada muy buena impresión y seguro que será un éxito.
Abraços.

Andreia Morais disse...

Espero que tenha o maior sucesso!

r: Não há qualquer problema :)
Há dias em que sabia mesmo bem que isso acontecesse

Bell disse...

Sucesso =)

Mariangela disse...

Que ótimo texto J.R! Amei o título!
Sucesso sempre.
Abraços,
Mariangela

Guaraciaba Perides disse...

Obrigada pela gentileza da explanação sobre o tema do seu novo trabalho. Realmente , é um tema de abordagem riquíssima principalmente com os recortes históricos de um momento
tão especial da boemia carioca.Parabéns e sucesso.
um abraço

Marina Fligueira disse...

¡Hola J-R!!!

Muy buena la esta reseña, me he quedado pensando... Que pudiera ser realidad y no ficción, que realmente fuera abandonado un niño en un lugar no muy adecuado. Sin embargo, seguro que historia o ficción tiene un final maravilloso.

Ha sido un place leerte. Gracias por darnos tanto y tan hermoso.

Perdona mi demora, estuve enferma con una fuerte gripe de la que todavía estoy convaleciente y respondiéndome poco a poco.

Un abrazo y gracias mil por toda tu generosidad.
se muy muy feliz.

Nelma Ladeira disse...

Boa noite meu amigo J.R. Viviani.
Parabéns você é muito talentoso.
Maravilhoso livro!
Obrigada por sua visita.
Você é um grande amigo.
Beijinhos.

Zilani Célia disse...

OI J.R. VIVIANI!
NA CERTA É UM ÓTIMO TRABALHO, A HISTÓRIA, PELA "ADVERTÊNCIA" É MUITO BOA E NÃO SE PODIA ESPERAR NADA DIFERENTE, POIS SABEMOS DE TUA CAPACIDADE LITERÁRIA.
PARABÉNS E SORTE.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Vanessa Palombo disse...

Adorei,

Instigou-me a ler...

Abçs

Vitor Chuva disse...

Olá, Viviani!

E está muito bem feita a presentação do novo livro.O mais do que suficiente para termos a noção do que o mesmo trata, e para perceber como pode ser interessante.
E oxalá que o trabalho tenha o sucesso desejado.

Um abraço
Vitor

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, é possível que encontre por aqui no Algarve em Portugal, quando encontrar digo-lhe, voto para um enorme sucesso.
AG

Mirtes Stolze. disse...

Bom dia.
Já me empolguei só em ler a sua advertência falando um pouco do seu livro , me parece um livro muito bom. Um feliz final de semana.
Abraços.

Marcia Pimentel disse...

Olá, Viviani!

Bom dia, meu amigo! Muito bom você começar com a explicação porque usou o termo Advertência. Gostei muito de saber.
Pela Advertência podemos ver o quanto a história do livro é interessante. Me deu muita vontade de ler o livro e saber sobre os apelidos que as "mãe" de Xavier davam para ele. E também saber mais sobre Amélia e seu amor por Xavier. Sucesso com o livro, Viviani.
Bjs

Rosa Mattos disse...

Caro amigo Viviani, bom dia!
Divulgou sua obra de uma forma muito atrativa, nos deixando com vontade de adquirir o livro para saber mais a respeito.

Tenho aqui em minha estante um de seus romances, O AMOR E SUAS ARMADILHAS. Bela obra. Recomendo! Sua narrativa é fluída, bem construída e prazerosa de se ler.

Um grande abraço e muito sucesso!

Elyane Lacerdda disse...

Desejo-lhe muito sucesso!
Vou comprar no clube de autores!
Bom final de semana!
http://www.elianedelacerda.com

Pérola disse...

Um orgulho próprio de quem produz, sonha e leva à prática tudo o que lhe passa na mente.

Parabéns!

Beijinhos