11 de dezembro de 2012

Contos e Prosas - apresenta a criação de:


O Terapeuta

Wilson era um homem de cinquenta anos, diretor geral de uma empresa multinacional, sempre teve um padrão de vida alto, morava em uma mansão com muito conforto. E era casado com Margarida, eles tinham três filhos.
Margarida certa vez, teve uma conversa bem franca com o marido, ela não suportava mais seu comportamento, ele era rude, mesquinho e arrogante, vivia reclamando apesar da boa vida que tinha, era pessimista e colocava defeitos em tudo que estava a sua volta.
As coisas que ele possuía era sempre melhor do que das outras pessoas, não suportava gente pobre, proibia que a esposa e os filhos tivessem contato mais intimo com os empregados que trabalhavam em sua casa. Vivia em eterna cobrança com a mulher e os filhos, dizia sempre que eles poderiam ser melhores, que nada estava bom, por mais que seus filhos se esforçassem para agradar o pai, nunca recebiam um elogio, ou um gesto de carinho.
Margarida estava farta disso tudo, o marido não aproveitava a vida, não viajava, não passeava, não gastava dinheiro com nada, todo o tipo de lazer pra ele era desperdício, dizia que precisava guardar todo o dinheiro que ganhava, fazia muitas aplicações financeiras, tinha um tesouro guardado, mas não gastava com nada.  
Margarida pediu ao marido para procurar ajuda de um terapeuta, psicólogo, analista, enfim qualquer profissional que o ajudasse psicologicamente, ele relutou muito, disse que seria dinheiro jogado fora, mas ela pela primeira vez chantageou-o, disse que se ele não procurasse ajuda, ela o abandonaria. Então primeiramente ele fez uma pesquisa de preços, e fechou com o terapeuta que lhe cobrou mais barato pelas consultas.
Depois de quatro meses fazendo terapia, ele chegou revoltado em casa, disse a esposa que aquilo não o ajudava em nada, que aquele homem só queria saber do seu dinheiro, Margarida nesse tempo percebeu que o marido não havia mudado em nada mesmo, pelo contrário, piorava a cada dia.
Depois de longa conversa ele acabou se abrindo com a esposa e disse-lhe que não iria mais fazer terapia, porque o terapeuta teve a ousadia de dizer-lhe, que a razão de todos os seus problemas era em função dele mesmo, que ele era o criador e o gerador de todo esse mal, que para começar a livrar-se de tudo isso, ele teria que renascer, teria que cortar e arrancar os defeitos da alma, e replantar uma qualidade a cada defeito cortado, Wilson achou isso uma afronta, um absurdo.
Margarida quando ouviu isso, fez uma pausa, levantou-se e ficou por longos minutos olhando pela janela, enquanto o marido continuava a reclamar, ofendendo com palavras chulas o terapeuta, e antes de terminar com todo aquele xingamento, disse a ela rispidamente, que ele não gastaria um centavo a mais, fazendo qualquer tipo de analise, que se ela quisesse, ela teria que o aceitar como ele era e ponto final.
Terminou seu discurso percebeu que ela estava chorando, mas não disse nada, e nem se importou, saiu do quarto com o olhar frio e voltou para a empresa. Quando retornou a noite, entrou no quarto e havia um bilhete sobre a cama.
“ Quero que agradeça seu terapeuta por mim, foi através dos olhos dele, que pude perceber quem realmente tu és, que estupidez a minha querer mudar as características que estão impressas na sua essência e no seu caráter. Hoje renasço, corto e arranco os defeitos da minha alma, te abandono definitivamente, para replantar em mim, o que foi devastado por ti, uma vida inteira. Mas sejas feliz! Com carinho, Margarida”.

Vanessa Palombo
Direitos Autorais Reservados ®

 * Clique no banner e conheça o blog da autora.
________________________________________________________________________________

22 comentários:

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Olá querida Vanessa!Ainda bem que Margarida percebeu o homem rude e cruel com quem ela se relacionava.Às vezes,precisamos olhar mais atentamente quem está ao nosso lado e com quem convivemos.
Parabéns,lindo conto amiga.

bjs.
Carmen Lúcia

Dorli disse...

Oi Vanessa!
Belíssimo! Que lição de vida!
Você é demais, minha poetisa
Nota mil para você...
Beijos
Lua Singular

Nádia Santos disse...

Vanessa querida, quero te aplaudir por esse belíssimo conto, com um final maravilhoso. Realmente corremos para o erro, para a decepção e frustração ao querer mudar alguém. Um grande abraço e parabéns!

regina ragazzi disse...

Maravilhoso seu conto Vanessa. Parabéns!! Bjss

*Escritora de Artes* disse...

Olá Querido amigo J.R. Viviani,


Participar do 1° Contos e Prosas do Vendedor de Ilusão é um grande privilégio.

Agradeço de coração todos os comentários.

Saudações a todos!

Rita disse...

Oh minha filha querida que bonito ver
um trabalho seu nesse Blog tão aconchegante, e sobre o conto que bom
que ela compreendeu tudo e foi seguir seu destino e ser feliz.
Muitas vezes dormimos com o inimigo e nem percebemos.
que Deus continue a abençoar você, e que escreva sempre coisas tão bonitas
Parabéns e muito sucesso
Bjuss
Rita!!!!

elvira carvalho disse...

Gostei do conto. Quando nos damos conta de que não somos iguais a quem nos acompanha na senda da vida e também não somos capazes de nos moldar ou moldar o outro para que as duas metades se unam melhor mesmo é desistir e procurar noutro lado a nossa outra metadae.
Um abraço

POR TODA MINHA VIDA disse...

Belíssimo conto Vanessa...A sensibilidade se traduz na alma e a percepção na vida ...bem completo Parabéns Pedro Pugliese

MARIA DA FONTE disse...

Muito interessante. Gostei muito. Abraços

MARIA MACHADO disse...

Que bela história Vanessa Palombo! Fiquei encantada com seu conto, afinal as vezes tentamos mudar alguém mais é tempo perdido, o certo é fazer como Margarida. Aplausos muito lindo!
Um abraço

Maria Machado

VILMA PIVA disse...

Olá Vanessa, o seu conto relata com requinte de detalhes o que muitas mulheres passam com seus maridos e depois dão um basta de guerreiras.
Parabéns, parabéns!! Beijos!!

Clau disse...

Oi Vanessa :)
Ainda bem que Margarida teve inteligência e sensibilidade para renascer e replantar nela,o que foi devastado pelo marido.
Lindo conto.Adorei!
Bjs \o/

Jacques disse...

Olá, Vanessa.
Belo conto; para quem ama, nem sempre é fácil conseguir ver a verdade, por mais nítida que ela seja.
Abraço.

Patricia Galis disse...

Dizer o que eu simplesmente amo esse conto, o final é sensacional, meus parabéns.

Zilani Célia disse...

OI VANESSA!
UMA BELA LIÇÃO, UMA PESSOA QUE NÃO QUER MUDAR NEM MESMO EM FUNÇÃO DE SUA FAMÍLIA, NUNCA O FARÁ ESPONTANEAMENTE
É UMA TRANSIÇÃO QUE TEM DE SER MOTIVADA, PRINCIPALMENTE PELO AMOR.
LINDO TEXTO.
ABRÇS E PARABÉNS PELA PARTICIPAÇÃO
http://zilanicelia.blogspot.com.br/ClickAQUI

Bento Sales disse...

Olá, amiga Vera!
Seu conto é dramático, mas muito emocionante. Com epílogo inesperado, melhor ainda.
As características de Wilson, apesar de um homem, são semelhantes às de uma parenta minha.
Estás de parabéns pela esplendorosa participação aqui neste espaço, ponto de encontro de virtuoses prosaicos do amigo Viviani!

Abraços a ambos.

Bento Sales disse...

Desculpa-me, amiga!
Quis dizer acima Vanessa.

Abraços.

Isa Lisboa disse...

E ainda bem que a Margarida teve coragem para ser feliz!
É um conto real, existem muitos Wilsons e muitas Margaridas neste mundo. Apenas desejo que todas as Margaridas tenham a mesma coragem.~
Parabéns pela participação, Vanessa.

Beijo

Janete Sales -Dany disse...

Olá Vanessa o final do seu conto foi maravilhoso!
Ás vezes a vida mostra algo para alguém, mas este alguém teima em mudar o que é impossível de se mudar, uma personalidade...
Aplausos! Devemos ter os olhos abertos para a vida!
Conto reflexivo, amei!

Um abraço a todos!

Bia Hain disse...

hahaha, Ai, Vanessa!Estou rindo porque quando comecei a ler não sabia quem era a escritora, e fui me encantando como quem passeia por um caminho conhecido. Lindo e verdadeiro texto. Não mudamos ninguém, essa é uma das maiores verdades que aprendi esse ano. Um abraço!

Lu Nogfer disse...

Muito reflexivo!
Parabens Vanessa, pela magnifica participaçao!

Abraços!

Diná (Poetisa da Paz) disse...

Uma narrativa tocante e encantadora.às vezes deixamos a felicidade ir embora por puro comodismo. Parabéns pelo tema oportuno. Abçs!