6 de janeiro de 2013

Contos e Prosas - apresenta a criação de:


Descanso do Papai Noel 

  O bom velhinho, esgotado de tanto trabalhar e embalar os presentes por ele confeccionados. Admitiu não ter força o suficiente para entregar todos os presentes antes do dia 25 de dezembro. Mamãe Noel ficou chateadíssima. Depois de todo trabalhão, não termos condição de entregá-los. Não! Isso é imperdoável. Tem que haver um jeito de entregarmos todos os presentes até a meia-noite do dia 25.
Papai Noel e a Mamãe Noel começaram a pensar numa solução para o problema. Noel então, decidiu sair no final da noite, para procurar alguém que pudesse substituí-lo nesta tarefa. Mamãe Noel não agradou muito da ideia, mas acabou por concordar.
O bom velhinho esperou o cair da noite, hora em que não está tão quente. Atrelou as renas ao trenó mágico e saiu pelo mundo em busca do seu substituto. O velhinho viajou por diversos países da América do Norte, sem ao menos encontrar alguém em quem confiar tal missão. Resolveu, então, descer abaixo da linha do Equador. Países de clima quente. Pensou... Mas quem sabe não dou mais sorte.
Puxou as rédeas do trenó e virou em direção a América do Sul. Passou pelo Peru, Colômbia, Chile, Argentina e acabou por chegar ao Brasil.
Ao passar sobre os céus da cidade maravilhosa, viu muita cantoria, alegria e descontração. Decidiu então, parar em cima do telhado para ver do que se tratava.  Era um ensaio de uma tradicional escola de Samba. O bom velhinho lá de cima, ficou tão maravilhado, com o requebrado das mulatas, com o som forte da bateria. Que assim fazia: Te cutuco no cutuco... te cutuco no cutuco... te cutuco no cutuco...
Que resolveu amarrar as renas ali mesmo, trocou a tradicional roupa vermelha e desceu calmamente. Já no chão, o velhinho ficou extasiado, com tudo que via e ouvia... Eram homens, mulheres e crianças, cheios de gingados. Pasmou... Ao ver até velhinhos como ele, cheio de energia... Opa!! Pensou... Que tipo de dança é essa, que contagia e nos enche de energia? Ficou empolgado, e procurou aproximar-se e ver ainda mais de perto. Todos consumiam uma bebida, que não conhecia... caipirinha.
Como todos ali presentes estavam alegres além da conta. Julgou ser a tal bebida um santo remédio para o seu cansaço. Resolveu experimentar! Hummmmmmm!!! Achou saboroso e refrescante. Deliciosamente leve e logo sentiu sua face tornar-se rubra e com um tremendo calor que subia pelo corpo. Tomou uma, duas, três. E suas pernas já não podiam mais controlar. Elas agiam ao som daquela esfuziante bateria.
Em seguida uma das mulatas, nota 10, veio em sua direção e puxou-o para o meio do salão. Ele nunca havia sambado. Mas o que importa? A tal bebida, e o som inebriante da bateria, fizeram milagres acontecerem. Rsrs. Cantou, pulou, dançou até altas horas da madrugada. Até que subido. Veio a sua lembrança de que estava ali à procura de alguém para substituí-lo na entrega dos presentes de natal.
Começou a olhar em volta, na esperança de encontrar alguém com as mesmas características de um legítimo papai Noel. Não foi muito difícil. Lá no canto da quadra, encontrou o suposto substituto. Agora só faltava, perguntar a ele, se lhe interessava o posto. Bastaram apenas alguns minutos de conversa, para o futuro e bom velhinho, topar a parada.
Chamou-o para conversar melhor lá fora. Ele ainda muito desconfiado e achando que se tratava de alguma piada, decidiu acompanhá-lo rindo. E sem largar o copo de caipirinha foi seguindo-o até próximo ao prédio onde havia deixado às renas amarradas. Ao ver as renas, o homem arregalou os olhos. Como não tivesse acreditando. E disse-lhe:
— Pensei que fosse brincadeira.
— Ahn?! Vai desistir? – perguntou Papai Noel.
— Mas eu não conheço nada... Como vou poder entregar todos os presentes?
— Quanto a isso não se preocupe. As minhas renas são mágicas e elas sabem o endereço correto de cada lugar onde entregar os pedidos.
— Puxa!! – O senhor está brincando comigo não é? Quer mesmo que eu substitua o senhor, neste natal?
— Sim. Ando muito cansado... Preciso de merecidas férias. Se você topar, vou ficar por aqui mesmo nesta terra abençoada. Já vi que aqui, tem de tudo o que preciso. Boa gente! Lindas praias e mulheres bonitas. Estarei num verdadeiro paraíso.
— Agora, sim! Papai Noel, o senhor falou a verdade... Somos um povo abençoado por Deus. Rsrs.
— Mas e aí? Vai-me proporcionar estas merecidas férias?
— Se eu topar, o que vou receber em troca?
— Realizo, qualquer pedido seu.
— Tá feito. Irei te ajudar nesta empreitada. Mas quero que o senhor faça com que o meu time Fluminense seja “Campeão” neste ano.
Tudo acertado entre eles. O substituto de papai Noel, partiu para cumprir com o seu novo trabalho. O legítimo papai Noel, fez o Fluminense ganhar o campeonato. E ele tirou o merecido descanso, nas praias cariocas.                 
                                               
Carlúcio Bicudo
Direitos Autorais Reservados ®

 * Clique na foto e conheça o blog do autor.
______________________________________________________________________________________

10 comentários:

Dorli disse...

Oi Carlúcio
Onde foi tirar tanta criatividade para esse exuberante conto?
Escreveu um conto inigualável de uma simplicidade, que não é do seu feitio, assim todos puderam entender o seu recado.
A humildade tomou conta do seu ser, mesmo já sendo um escritor renomado, com simples palavras nos levou ao deleite.
Parabéns Carlúcio
Você é genial
Beijos
Lua Singular

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Parabéns Carlúcio por ter escrito um conto da realidade do nosso Brasil.Onde possuímos um carnaval só nosso com as mulatas exuberantes e o grande destaque que é o futebol brasileiro.Parabéns,gostei muito.

Abraços
Carmen Lúcia-mamymilu.blogspot.com

Pedro Luis López Pérez (PL.LP) disse...

Unas merecidas vacaciones en este hermoso País, lleno de Encanto y buenas vibraciones.
Precioso Relato.
Um abraço.

Bia Hain disse...

Muito criativo, Papai Noel merece mesmo um descanso...quanto ao desfecho, típico de torcedor fervoroso. Um abraço!

Zilani Célia disse...

OI CARLÚCIO!
ENGLOBASTE EM TEU CONTO AS MAIORES PAIXÕES DOS BRASILEIROS, CARNAVAL, CAIPIRINHA, MULATAS E FUTEBOL, NÃO TEM COMO NÃO ACHAR LEGAL.
BELA PARTICIPAÇÃO.
ABRÇS
http zilanicelia.blogspot.com.br/ClickAQUI://

elvira carvalho disse...

Ahahahah Imagino o velhinho Pai Natal a dançar o samba é muito divertido.
Gostei do seu conto. Uma história bem divertida e cheia de criatividade. Parabéns.
Um abraço e uma boa semana

Rosa Mattos disse...

Muito engraçado e gostoso de ler, Carlúcio. hehe

Parabéns!! \o/ Arrasou!!

Abraços e Feliz 2013!

Rosa Mattos
http://contosdarosa.blogspot.com

Rosa Mattos disse...

Quero amigo JR, quero renovar meus cumprimentos a você pela organização deste evento literário e dar meus parabéns a todos que participaram e nos encantaram com seus contos e prosas.

Parabéns!!

Um abraço afetuoso e um 2013 inspirador para todos nós.

Muito obrigada por tudo. ♥ bjs

Rosa Mattos
http://contosdarosa.blogspot.com

Mary disse...

O Papai Noel queria mesmo era...

“Cair na gandaia”rs.

Só não sei se, as criancinhas aprovariam esse feito do
Bom Velhinho.

Bacana!

Bjos

Tunin disse...

Excelente conto. Fizeste um texto fantasiando fantasia do papai-noel. Genial, meu caro.
Abração.